Escolha uma Página

Pode ser uma boa hora...

Minha visão de design, com o passar do tempo, tem se tornado cada vez mais estratégica.

Nessa semana, deixei de participar de uma reunião setorial de um determinado mercado, que é considerado um mercado muito promissor. Depois falando sobre a reunião com um amigo que compareceu, percebi que não perdi muita coisa…

Por força de alguns projetos que participei, convivi muito com essas reuniões setoriais. A principal razão de ser desse tipo de reunião é exatamente reunir as empresas e mapear o que aquele segmento precisa para crescer.

A questão é que as empresas costumam concentrar suas “necessidades” em apoio governamental. Crédito barato, reservas de mercado, capacitação a custo zero – ou perto disso.

Dificilmente temos nessas reuniões, empresas expondo projetos para o segmento. Projetos reais, de pesquisa e desenvolvimento conjunto, por exemplo. Nunca vi um projeto ser apresentado por uma das empresas visando reunir o pequeno poder de realização de cada uma, para realizar algo que pudesse atender a todas. Tudo que é apresentado é visando o “apoio e realização” de entidades governamentais primeiramente.

Acabei agradecendo por não ter comparecido. Mesmo com as reclamações do amigo, que julga que estou virando as costas para um mercado promissor.

Mas a minha conversa com ele, quando expus esse meu pensamento, de que muitas empresas esperam muito do governo ao invés de agir antes, me deixou com um pensamento na cabeça…

Uma das capacidades do designer que eu considero subutilizada, quando está a serviço apenas de produção gráfica, vídeos ou internet institucional, é a capacidade de trabalhar com baixos orçamentos, e mesmo assim, construir coisas com alto grau de sofisticação, usabilidade e focadas na solução dos problemas apresentados…

Sempre penso nessa capacidade, aplicada de maneira estratégica, visando melhorias de produção e de concepção de produto, para um conjunto de empresas.

Deu para entender? 

Vou dar um exemplo prático:

Falemos de um mercado qualquer, como por exemplo… software. Digamos que para produzir os softwares, as empresas precisem de um determinado framework, certamente importado, obviamente caro! Mas, padrão de mercado. As licenças proibitivas desse framework seriam um entrave para o desenvolvimento de softwares capazes de competir nos mercados internacionais…
Essas empresas estão reunidas, tentando crédito com o governo, querendo montar um grande laboratório de P&D para desenvolver um framework nacional, capaz de elevar a qualidade dos softwares produzidos aqui e possibilitar a entrada no mercado mundial…

Claro, conseguir esse dinheiro não é fácil!!!

Porque então, essas empresas não se unem e montam, dentro das suas possibilidades, um pequeno laboratório de P&D, capaz de iniciar o desenvolvimento do framework que iria possibilitar a entrada em mercados internacionais? Poderia ser com a doação de horas dos programadores de cada empresa, trabalhando em um projeto virtual, sem necessidade de um espaço único…. Ou outras formas de colaboração e compartilhamento de conhecimento para o bem de todos!

Certamente, com o framework já em desenvolvimento, seria muito mais fácil conseguir crédito e investidores para apoiar a iniciativa!

Não estou dizendo que é um caminho fácil.

Até porque, não existe mais nada fácil… Vivemos num mundo com mais de sete bilhões de pessoas. Nada mais é fácil.

Mas, com certeza, é uma forma de conseguir avançar!

Entenderam o conceito da coisa!?

FAÇA! Quando você estiver fazendo, os recursos virão…

Essa questão toda, passou pela minha cabeça e eu pensei: por que nós, designer, não fazemos isso!?!

O que acham, designers, de aplicarmos esse conceito a nós mesmos?

Que acham de nos reunirmos e mapearmos o que nós precisamos, para valorizar nosso trabalho, difundir nossa importância, demonstrar nossas capacidades estratégicas e ampliarmos a nossa participação no processo de decisão das pequenas, médias e grandes empresas nacionais?

O que precisamos para fazer mais?

Como podemos conseguir maior credibilidade com nossos clientes?

Como podemos demonstrar aos mercados, a nossa capacidade de agregar valor a empresas, produtos e serviços?

Como podemos participar mais dos processos estratégicos e de decisão das empresas, visando elevar os padrões de competitividade?

Como podemos fazer MAIS!?

Como podemos ser mais ESSENCIAIS?!

EU gostaria muito disso!

Participar de um processo que levasse o design a ser entendido como essencial em TODOS os âmbitos de negócios desse país. Gostaria de ajudar a construir um mercado onde a opinião e a visão do designer fosse valorizada e entendida como uma opinião fundamental, na construção de empresas, produtos e serviços.

Não é tão difícil. Vai ter de ser feito um dia. Porque não agora?!

Afinal…. Época de crise, é época de oportunidade!

O que me dizem, designers?!…

QUER CONVERSAR SOBRE ESSE TEMA? FALE CONOSCO

Pin It on Pinterest

Share This